Voltar para o topo

Por que nem todos os dias são dias de sol?

01

janeiro
Dramaturgia
  • Gustavo Bicalho
Direção
  • Gustavo Bicalho
  • Henrique Gonçalves
Elenco
  • Bruno de Oliveira
  • Débora Salem
  • Edeilton Medeiros
  • Lívia Guedes
  • Marise Nogueira
Descrição:
Dividido em quatro histórias distintas, narradas cada uma com uma linguagem e técnica própria, o espetáculo traz uma reflexão sobre o momento em que deixamos de ser crianças. O universo apresentado nas quatro histórias são uma revisão de nossas lembranças ressignificadas pela linguagem teatral. São histórias simples, singelas e poéticas, contadas por meio de bonecos, máscaras, objetos animados e projeções em vídeo.

- Prêmio São Paulo de Incentivo ao Teatro Infantil e Jovem / 2016 - Melhor Texto Adaptado, Melhor Trilha Sonora e Melhor Iluminação.

Classificação etária: livre
 
Equipe de Criação:
Preparação vocal: Verônica Machado
Direção de movimento e preparação corporal: Paulo Mazzoni
Direção de movimento dos bonecos e preparação técnica: Márcio Nascimento
Preparação técnica em teatro de objetos: Marise Nogueira
Máscaras e preparação técnica em uso de máscaras: Flávia Lopes e Marise Nogueira
Bonecos: Bruno Dante
Pesquisa musical: Gustavo Bicalho
Desenho de som: Luciano Siqueira
Animação: Rafael Cazes e Renata Nassur
Vídeo-mapping: Dado Marietti
Cenografia e adereços: Karlla de Luca
Figurinos e adereços: Fernanda Sabino e Henrique Gonçalves
Desenho de luz: Poliana Pinheiro e Rodrigo Belay
 
Equipe Técnica:
Operador de luz: Poliana Pinheiro e Rodrigo Belay
Operador de som e vídeo: Luciano Siqueira
Cenotécnico: João Bardavid
Modelista: Glória Tranjan
Confecção de figurinos: Ateliê das Meninas
Confecção de sapatos: Gomes Sapatos
 
Equipe de Divulgação:
Programação visual: Gabriela Gil
Fotografia: Christina Amaral, Jackeline Nigri e Milton Dória
RP: Evandro Rius
Assessoria de imprensa: Minas de Ideias
Registro videográfico: Chamon Audiovisual
 
Equipe de Produção:
Direção de produção: Henrique Gonçalves
Realização: Artesanal Cia. de Teatro/2016
 

Com delicada poesia visual, o espetáculo traz quatro narrativas que tratam do crescimento, cada uma contada com técnica diferente, como máscaras e animação de objetos. Algumas têm diálogos intergeracionais, como o do menino que descobre o sentido da palavra lembrança durante um encontro com uma idosa.

Gabriela Romeu / Jornalista especializada em infância - Folha de São Paulo